Por Gustavo Martins-Coelho

Na semana passada, vimos como a exposição ao calor intenso pode ser nociva para a saúde e identificámos as complicações que lhe estão associadas [1]; e prometi que, esta semana, descreveria as precauções que devem ser tomadas, para nos protegermos dos perigos do calor.

Em primeiro lugar, há que notar que nem todos são afectados pelo calor da mesma forma. Os grupos mais vulneráveis e que, portanto, merecem a maior protecção, são: as crianças; os idosos; os doentes crónicos e aqueles que tomam medicações crónicas; as pessoas obesas, acamadas, ou com doenças psiquiátricas; os trabalhadores que, por força da sua profissão, estejam muito expostos ao calor; e as pessoas que têm casas mal protegidas contra o calor.

Vejamos então algumas medidas que se devem tomar para prevenir os riscos associados ao calor, pois é bom não esquecer que, em tudo, mais vale prevenir que remediar.

Em primeiro lugar, deve proteger-se da exposição solar e procurar locais frescos, ou com ar condicionado, durante o período de maior calor, em especial se estiver acompanhado de crianças pequenas, de idosos ou de doentes crónicos. Em casa, evite que o calor entre, correndo as persianas ou portadas. No período de maior calor, tome um duche de água tépida ou fria. Ao entardecer, quando a temperatura no exterior for inferior à do interior, abra as janelas, mas tenha cuidado como as correntes de ar. Se estiver muito calor em casa, procure locais frescos, como a igreja, a biblioteca, um centro comercial, ou um museu.

Faça refeições leves e mais frequentes; e evite as refeições pesadas e muito condimentadas. Deve também beber muita água, ou sumos de fruta natural (sem juntar açúcar), mesmo que não tenha sede. Acima de tudo, evite bebidas alcoólicas ou bebidas muito açucaradas. Preste muita atenção aos recém-nascidos e às crianças, aos idosos e aos doentes, pois podem não sentir ou não manifestar sede — ofereça-lhes água, mesmo que não peçam, e esteja atento a sinais de desidratação. Em viagem, deve também levar água suficiente, ou sumos de fruta naturais, sem adição de açúcar, e parar para beber.

Se sofrer duma doença crónica, ou se estiver a fazer uma dieta com pouco sal, ou com restrição de líquidos, fale com o seu médico, ou ligue para a Linha Saúde 24: 808 24 24 24.

Use roupa larga, leve e fresca, de preferência de algodão e, ao andar ao ar livre, use roupas que evitem a exposição da pele ao sol, particularmente entre as onze da manhã e as cinco da tarde. Use chapéu de abas largas e óculos de sol que protejam contra a radiação UVA e UVB. Cuidado com os óculos comprados nas feiras ou em lojas não especializadas!

Se for à praia ou à piscina, ou andar com a pele exposta ao sol, use um protector solar com índice de protecção de trinta ou superior e aplique de duas em duas horas, sempre que se molhar, ou se transpirar muito. No regresso, volte a aplicar o protector solar. Os idosos não devem ir à praia nos dias de maior calor. As crianças com menos de seis meses também não devem estar expostas, de todo, ao sol, e até aos três anos de idade, deve evitar-se a exposição directa. Lembre-se de que o sol pode provocar queimaduras, mesmo se estiver debaixo do guarda-sol, porque a água do mar e a areia da praia reflectem os raios solares; e estar dentro de água também não evita as queimaduras.

Evite permanecer dentro do carro, exposto ao sol, principalmente nos períodos de maior calor, sobretudo em filas de trânsito e em parques de estacionamento. De igual modo, nunca deixe crianças, doentes, idosos ou animais dentro do carro ao sol. Se o carro não tiver ar condicionado, não feche completamente as janelas.

Diminua todos os esforços físicos, evite actividades que exijam esforço físico, e repouse frequentemente em locais à sombra, frescos e arejados.

Peça ajuda a um familiar, ou a um vizinho, se se sentir mal com o calor, e verifique o estado de saúde das pessoas isoladas, idosas, frágeis ou com dependência que vivam perto de si; e ajude-as a protegerem-se do calor.

Mas, como nem tudo no Verão faz mal à saúde, termino com uma sugestão musical, dos inefáveis «A Fúria do Açúcar» [2].