Por Satoshi Kanazawa [a]

O leitor deve provavelmente ter ouvido ou visto as notícias (no New York Daily News [2] ou no CBS News Online [3], entre outros; ou pode mesmo ter visto o autor do estudo, James K. McNulty, da Universidade do Tennessee, discuti-lo no Today Show [4]) a respeito dum estudo, publicado no Journal of Family Psychology, que mostrou que os casais em que a mulher é fisicamente mais atraente do que o homem são mais felizes do que os casais em que o homem é fisicamente mais atraente do que a mulher. Qual o motivo? Por que é melhor para o casal, se a mulher for fisicamente mais atraente do que o homem?

Se o leitor tiver feito a sua própria observação entre os amigos, os resultados deste estudo não devem ser surpreendentes. Há duas razões diferentes para que os casais em que a mulher é mais atraente do que o homem sejam mais bem sucedidos e mais felizes do que os casais em que o homem é mais atraente do que a mulher.

Primeiro, como explicamos no capítulo 4 do nosso livro: «Why Beautiful People Have More Daughters» [Por que as pessoas bonitas têm mais filhas] [5] («Go Together Like a Horse and Carriage? The Evolutionary Psychology of Marriage» [Andar juntos, como cavalo e carruagem? A psicologia evolutiva do casamento]), os homens bonitos tendem a ser maus maridos. Os homens podem maximizar o seu sucesso reprodutivo através duma de duas estratégias diferentes: ou procurando uma parceira de longo prazo, ficando com ela, e investindo na sua prole comum (a estratégia de «pai»); ou procurar um grande número de companheiras de curto prazo, sem investir em qualquer um dos filhos resultantes (a estratégia de «amante»).

Todos os homens podem querer prosseguir a estratégia de «amante»; no entanto, a sua escolha da estratégia de acasalamento é limitada pela preferência da fêmea. Os homens não decidem com quem têm relações sexuais; as mulheres sim. E as mulheres procuram homens bonitos para companheiros de curto prazo, pelos seus bons genes. Mesmo as mulheres que já são casadas recorreriam ao acasalamento de curto prazo com homens bonitos, se tivessem a certeza de conseguir enganar com sucesso os seus maridos e levá-los a investir na descendência resultante. Tais mulheres obteriam o melhor de dois mundos: os seus filhos seriam portadores dos genes de alta qualidade dos seus amantes bonitos e receberiam o investimento paterno do marido traído, mas capaz de prover o melhor à sua família [b].

Assim, os homens bonitos obtêm um número desproporcionado de oportunidades de relacionamentos de curto prazo e, portanto, são capazes de prosseguir a estratégia de «amante». Os homens feios não têm escolha. Dado que as mulheres não os escolhem como parceiros de curto prazo, a sua única opção para alcançar qualquer sucesso reprodutivo é encontrar uma parceira de longo prazo e investir intensamente nos seus filhos — a estratégia de «pai».

Em consonância com este argumento, os estudos mostram que os homens mais atraentes têm um maior número de parceiros sexuais extraconjugais. Curiosamente, os homens mais atraentes têm mais parceiras de curto prazo do que companheiras de longo prazo, enquanto as mulheres mais atraentes têm mais companheiros de longo prazo do que parceiros de curto prazo. Mas, mais importante para o nosso tema actual, os homens bonitos investem menos nas suas relações exclusivas do que os homens feios. Eles são menos honestos para com as suas parceiras e dão-lhes menos atenção. O novo estudo de McNulty com os recém-casados confirma esta noção. Os seus dados mostram que, quanto mais atraentes fisicamente são os maridos, menos próximos ​​são, na interacção com as suas mulheres.

Devo acrescentar que «bom» e «mau» (como no título deste artigo: «Por que os homens bonitos são maus maridos») são juízos de valor que os cientistas não fazem. No entanto, os dados empíricos demonstram claramente que os homens atraentes têm mais relações extraconjugais e não são tão dedicados aos seus casamentos, o que muitas mulheres, sem dúvida, considerariam indesejável. Nesse sentido, os homens bonitos são melhores amantes do que maridos.

No meu próximo artigo, vou discutir a segunda razão pela qual os casais em que a mulher é mais atraente do que o homem são mais felizes do que os casais em que o homem é mais atraente do que a mulher. Se o leitor tiver feito a sua própria observação entre os amigos, também não ficará surpreendido.


Notas:

a: Este artigo foi traduzido do original [1] pelo editor chefe (n. do T.).

b: A fim de ajudar as mulheres a alcançar este objectivo, a evolução dotou-as de maior propensão a ter sexo com os seus amantes quando estão a ovular e, portanto, no período fértil, e a ter relações sexuais com os seus maridos fora desse período.