Nota do editor: este artigo é um resumo de parte do artigo do Erik Olin Wright, publicado na «Jacobin» [1]


A ideia do anticapitalismo pode parecer ridícula. Afinal, o capitalismo trouxe-nos inovações tecnológicas fantásticas [2], aumentou o poder de compra, mesmo dos mais pobres, e a esperança de vida e reduziu a mortalidade infantil. As alternativas ao capitalismo ensaiadas na Rússia e na China trouxeram opressão e falência económica. Portanto, como pode alguém ser contra o capitalismo?

Esta é a história dominante. Mas eis outra história: a marca fundamental do capitalismo é a pobreza no meio da abundância. Não é a única coisa errada no capitalismo, mas é a pior: é inaceitável ter pobres — especialmente crianças, que não podem ser acusadas de ter falhado a escala da meritocracia — em sociedades ricas, que poderiam facilmente remediar essa pobreza.

No capitalismo, o crescimento económico, a evolução tecnológica, o aumento da produtividade e a sociedade de consumo são acompanhados da precariedade e de trabalhos alienantes e entediantes para a maioria. O capitalismo é uma máquina de fabricar desigualdade e destruição ambiental, tanto quanto crescimento. É tão verdadeiro falar do capitalismo como a ideologia que melhorou enormemente a produtividade e as condições de vida no mundo, como como a ideologia que gera males e formas de sofrimento desnecessários.

A questão chave não é se o capitalismo melhorou, em média, as condições materiais humanas a longo prazo. A questão chave é se, a partir deste ponto na História, não poderíamos melhorar ainda mais as condições da maioria das pessoas num sistema económico alternativo. As experiências russa e chinesa não são as únicas alternativas ao capitalismo. É possível um outro mundo, capaz de melhorar as condições para o florescimento humano da maioria das pessoas. Já existem elementos deste novo mundo, assim como caminhos concretos para chegar até lá.

O anticapitalismo é possível, não só como uma posição moral, mas como uma estratégia prática de construção duma sociedade alternativa.