Por Gustavo Martins-Coelho e Ana Sofia Silva


Fig.2Pg.25.png

O gráfico acima deve ser lido incorporando a informação dos gráficos anteriormente publicados [1, 2].

A barra inferior representa a distribuição da população mundial adulta pelas várias regiões marcadas em cores diferentes. Se as assimetrias na distribuição da riqueza mundial fossem iguais em todas as regiões (ou seja, se cada região tivesse o mesmo número de ricos e de pobres que todas as outras), as restantes barras seriam iguais a esta, em termos de cores. Mas não são.

Relembremos que 70% da população possui menos de $10.000 [2], entre propriedades, dinheiro, poupanças, investimentos, etc. Esses 70% concentram-se na Índia e em África, conforme a segunda barra indica, e são, além disso, os mais pobres desses mais pobres [1]. De igual modo, 20% da população tem uma riqueza entre $10.000 e $100.000 [2]. Esses 20% concentram-se, sobretudo, na América Latina, na China, na Europa e na América do Norte.

Os quase 10% que têm uma riqueza entre $100.000 e $1.000.000 [2] concentram-se, sobretudo, na Europa e na América do Norte. Finalmente, em relação aos milionários, o domínio da América do Norte é avassalador: quase metade deles habita nessa região.

A distribuição mais ou menos igual das barras verdes em todos os estratos indica uma proporção mais ou menos semelhante de adultos em cada um dos estratos na região da Ásia e Pacífico [1].

Os dados provêm do «Global Wealth Report 2015» [3].