Por Gustavo Martins-Coelho


Não entendo.

Porquê esta ansiedade de chegar a lugar nenhum?

Não entendo.

Porquê esta necessidade de abrir o Facebook?

Não entendo.

Porquê esta pressa do nada?

Não entendo.

Porquê esta incapacidade de desligar a televisão?

Não entendo.

Porquê esta ilusão de que posso ser o que não sou?

Não entendo.

Porquê esta meticulosidade a lavar a roupa?

Não entendo.

Porquê esta ânsia de realizar o irrealizável?

Não entendo.

Porquê esta relutância em cortar as unhas dos pés?

Não entendo.

Porquê esta vontade de fazer coisas grandes?

Não entendo.

Porquê esta incapacidade de cruzar as pernas?

Não entendo.

Porquê este ímpeto fátuo?

Não entendo.

Vou ali esconder-me do mundo. Pode ser que o mundo se esqueça de mim.